sábado, 28 de junho de 2014

A passagem.

Amor você queima
derrete
o mármore
a carne
os ossos;
Amor você  encanta
como uma dança
de solidão;
Amor você odeia
o tempo
a sina
o escuro;
Amor você mente
sempre;
Amor você não chora
você transborda
insegurança
bonita
numa  manhã
desconhecida;
Amor você se despede
em mim
permanece
quase intacta;
Amor você não ama
você insiste
você mata
você injúria;
Amor você olha
sem dizer nada
nunca sabe
do nada
do imenso 
aqui dentro;
Amor você me perde
no fim
se afoga em mim

nos males
dos mares
nas entranhas
da sua cama.

(porto de julho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário